Quinta, 12 de Dezembro de 2019   
Artigo Original

20/8/2003
Farmacologia Aplicada na Odontologia - Antibiótico
Vânia Aparecida Duarte* - Vanessa Aparecida Duarte* - Roberto Elias** - Fernando Fadel** - Jayme Guitmann**
CISPRE

Resumo

O presente trabalho teve por meta revisar a literatura pertinente à aplicação do antibiótico na Odontologia. Foram considerados aspectos relativos como indicações do fármaco, reações adversas e propriedades especiais da droga.

Palavras-chaves: antibióticos; aplicação; reações adversas.

Abstract

This study had for goal reviewing the literature conceding the application of the antibiotics in the odontology. It was considered aspects pertaining to pharmacological properties, adverse effects and reactions; special properties of the drug.

Key-words: antibiotics; application; reaction adverse.

Alunas do curso de Odontologia da Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO - Brasil *

Professores do curso de graduação de Odontologia: Cirurgia Buco Maxilo Facial da UNIVERSO- Brasil **

Aceito para publicação em 10/07/2003, após análise do Comitê Científico - CISPRE
Coordenação: Carmen Ferreira Elias

Introdução

O antibiótico ideal deve ter ação exclusiva sobre o agente etiológico do quadro patológico em questão, isto é, uma substância com o máximo de especificidade, o que proporcionaria um tratamento sem efeitos tóxicos ou colaterais. Este medicamento ainda não está disponível na forma de antibiótico.(4)

Os efeitos colaterais do uso de antibióticos não se restringem apenas àqueles diretos sobre a estrutura do hospedeiro, mas também sobre a microbiota anfibiôntica de cada indivíduo. Esta microbiota desempenha importante papel ecológico, fundamental para manutenção de um estado de equilíbrio que se traduz em saúde para o hospedeiro.

Como os antibióticos atualmente disponíveis agem de forma pouco seletiva, atingindo tanto os microorganismos patogênicos quantos os não patogênicos é crucial que se faça uma escolha criteriosa do medicamento que resulte no máximo efeito sobre os microorganismos alvo.

Para esta atuação é necessário revisar os princípios fundamentais relacionados a utilização racional dos antibióticos, procurando auxiliar o cirurgião-dentista ao uso da antibioticoterapia.

Uso terapêutico na Odontologia

Os agentes antibióticos possuem três usos principais na prática da odontologia são eles (6): tratamento de infecção odontogênica; profilaxia em pacientes com risco de desenvolver endocardite bacteriana ou outros problemas, devido a bacteremia causada por procedimentos odontológicos; profilaxia em pacientes com o comprometimento dos mecanismos de defesa do hospedeiro em decorrência de certas doenças ou tratamento farmacológico.

Seleção correta do antibiótico

Existem vários tipos de antibióticos, estes podem ser usados isoladamente ou combinados entre si, que podem se empregado no tratamento dentário (3,1,7). Na escolha do antibiótico ideal deve considerar tais fatores: a toxicidade do antibiótico; o espectro de ação do antibiótico sempre que for possível, devemos usar um antibiótico de espectro reduzido para diminuir a possibilidade de surgimento de microorganismo resistente; custo do medicamento; forma de ação do antibiótico dando preferência por drogas bactericidas ao invés de bacteriostática; tenha relação risco/benefício positiva.

Antibióticos

Deve-se escolher primariamente o antibiótico que preenchem o maior número de requisitos anteriormente citados. Para facilitar a seleção deste fármaco serão descrita a seguir as indicações e as reações adversas mais comuns em cada classificação dos antibióticos mais empregados na odontologia.

Penicilinas

Quase todas as infecções de origem odontogênicas podem ser eficazmente tratadas com uma das penicilinas. Em infecções decorrentes por necrose pulpar o fármaco de primeira escolha nessas infecções é a penicilina V, historicamente, o antibiótico prescrito com maior freqüência na quimioterapia de infecções de origem odontogênica. A penicilina G é reservada, em grande parte para infecções graves (6).

Há casos de limitações das penicilinas sobre certos microorganismos produtores de penicilinase, nestes casos o antibiótico apropriado deve ser um derivado da penicilina resistente a penicilinase ou um antibiótico diferente da penicilina como eritromicina ou clindamicina.

A penicilina está entre as drogas menos tóxicas conhecidas devido ao local que atuam - parede celular entretanto podem produzir alguns efeitos adversos tais como: reação de hipersensibilidade, diarréia que pode ser minimizadas pela administração da droga com pequena quantidade de iogurte.

Amoxicilina e Ampicilina

Pode ser administrada por via oral, pois este fármaco não é inativado pelo suco gástrico. É utilizado na odontologia na prevenção de bacteremia associada a procedimentos como exodontias, em pacientes com risco de desenvolver endocardite bacteriana, sendo contra-indicado para pacientes com hipersensibilidade a penicilina e a cefalosporina (1).

A amoxacilina é bastante tolerada pelo organismo sendo comum o aparecimento de reações adversas como distúrbios gastrintestinais: náuseas, vômitos e diarréias.

Clindamicina

Raramente é utilizada devido a sua menor eficácia como agente antimicrobiano e a sua menor absorção por via oral. O uso terapêutico da clindamicina é recomendado como antibiótico alternativo (depois da amoxacilina). Em geral a sua administração é em dose única sendo extremamente improvável a superinfecção.

A clindamicina é indicada para osteíte purulenta ou outras infecções ósseas (4) causadas por microorganismos anaeróbicos, servem também para infecções que não podem ser erradicadas pela penicilina ou antibióticos macrolídeos como a eritromicina.

Os efeitos adversos deste antibiótico consistem principalmente no distúrbio gastrintestinal que pode manifestar na forma de diarréia grave e colite pseudomembranosa (5,6).

Eritromicina

O uso do macrolídeo eritromicina no tratamento de infecções odontogênicas é o segundo mais freqüente, depois dos derivados da penicilina, sendo reservado como alternativa para pacientes alérgicos à penicilina nas infecções de pequena ou média gravidade (6). Mostra-se eficaz contra microorganismo gram negativos e aeróbios.

Esta droga tem aplicação limitada na periodontia porque o seu nível no fluído sulcular é insuficiente para inibir a maioria dos patógenos periodontais (2,5).

A eritromicina é um antibiótico notavelmente seguro, que produz um número relativamente pequeno de efeito adverso, os problemas mais comumente encontrados são: distúrbios gastrintestinais, a icterícia colestática como sinal de toxicidade hepática; e efeitos adversos na paciente gestante.

A eritromicina potencializa os efeitos de diversas drogas incluindo coagulantes orais como por exemplo vaferina.

Metronidazol

O metranidazol tornou-se a droga de escolha para uma variedade de infecções por protozoários. Este antibiótico não foi adequadamente avaliado para o uso geral na odontologia, embora tenha aplicação no tratamento das periodontias.

O metronidazol pode ser utilizado associados a outros antibióticos, sendo de grande eficácia em relação as bactérias anaeróbicas, não devendo ser utilizadas isoladamente, pois só seria eficaz em infecções exclusivamente anaeróbicas (1,6).

Os efeitos adversos mais comuns consistem em náuseas, vômito, anorexia, língua saburrosa, estomatite e neutropenia que desaparece na interrupção do uso do fármaco.

A sua interação com o álcool é tão severa que o seu uso deve ser proibido quando se está tomando metranidazol, a prudência recomenda a contra indicação da droga nas primeiras 12 semanas gestacionais e quando se pode usar drogas mais seguras e que são igualmente eficaz.

Tetraciclina

Seu uso disseminado e com freqüência, resultaram o aparecimento de diversas cepas bacterianas resistentes a este fármaco reduzido a sua utilidade clínica.

A utilização terapêutica na odontologia deste antibiótico é limitada no tratamento de infecções orodentais agudas; sendo esta mais empregada em certos tipos de doença periodontal, tal como, a periodontite juvenil localizada. A sua vantagem no tratamento desta doença se dá na capacidade de se concentrar várias vezes no fluído sulcular gengival, cerca de 5 a 7 vezes mais do que no soro, a sua eficácia contra AA (2,5,7), a boa substantividade e inibição da reabsorção óssea. Contudo a droga é apenas um coadjuvante no tratamento pois a instrumentação mecânica perirradicular é primordial na obtenção do sucesso do tratamento (5).

Os efeitos adversos mais comuns são: irritação gastrintestinal, prolongamento do tempo de coagulação pois a droga atua no microorganismo que sintetizam a vitamina K; em paciente grávida pode afetar o feto no crescimento ósseo, ocasionar a pigmentação dentária e promover a hipoplasia do esmalte. Sendo de relevância ressaltar que este fármaco não pode ser administrados concomitantes a outros antibióticos e a contraceptivos orais pois haverá interações farmacológicas.

Conclusões

1. A terapêutica antibiótica é adjuvante no tratamento das infecções odontogênicas, periodontal e endodôntica, não devendo em hipótese alguma, ser utilizada como única forma de tratamento.

2. O uso indiscriminado dos antibióticos fez aumentar muito, o número de espécies de microorganismo resistentes, sendo cada vez mais importante limitar o uso dos antibióticos às situações em que seja realmente indicado.

3. Quando da escolha de um antibiótico, é necessário considerarmos as suas propriedades, visando o sucesso da antibioticoterapia e diminuindo a possibilidade de ocorrência de reações adversas.

4. Quando diante de uma infecção que não evolui satisfatoriamente, o profissional deve sempre considerar que possa ter ocorrido uma falha no tratamento realizado, não devendo haver uma precipitação na troca de antibiótico, como sendo esta a causa de insucesso.

5. Quando não tiver certeza em qual antibiótico utilizar procurar ajuda à outros colegas de trabalho antes de prescrever indiscriminadamente um fármaco.

Referências Bibliográficas

1. ANDRADE, E. D. Terapêutica Medicamentosa em Odontologia. São Paulo, Artes Médicas, 1999.
2. ASSAF, V. Tetraciclina em Periodontia. Revista Brasileira de Odontologia,Rio de Janeiro. v.55,n.4,p.246-250, 1998.
3. FONTOURA, R. ; MEDEIROS, P. J. Antibioticoterapias nas infecções Odontogênicas. Revista Brasileira de Odontologia,Rio de Janeiro. v.56,n.5, Set/Out.,1999.
4. OLIVEIRA, J.C. Antibióticos em Endodontia. Revista Brasileira de Odontologia, Rio de Janeiro. v. 56, n.3, p.134-138, 1999.
5. SALLUM, W.; JUNIOR, F.H.; TOLEDO, S. et al. Revista Brasileira de Odontologia, Rio de Janeiro. v.53, n.1, p.11-14, 1996.
6. YAGILA, J.; NEIDLE, E. Farmacologia e Terrapêutica para Dentistas. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 4 ed. 2000.
7. WANNMACHER, L.; FERREIRA, M.B. C. Farmacologia Clínica para Dentistas. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2 ed. 1999.

 

Voltar VERSÃO PARA IMPRESSÃO >>>

Copyrights 2003 - CISPRE - Centro Integrado de Saúde Prof. Roberto Elias - Fone: (24) 2242.1779